segunda-feira, agosto 22, 2016

Black Mirror (S1/2011)

No episódio de estreia, o primeiro-ministro britânico enfrenta um dilema terrível: para salvar uma princesa da família Real, raptada por um desconhecido, terá que fazer, em directo para todo o mundo, sexo com um porco. No segundo, num futuro distante, um homem e uma mulher lutam por uma vida melhor. Mas será que ela existe mesmo? No episódio final, um implante cerebral permite a todos os humanos aceder a qualquer memória do seu passado, qual gravações automáticas de uma box de televisão. Série britânica de antologia idealizada por Charlie Brooker, "Black Mirror" revela-se uma sátira assaz e audaciosa a várias vertentes das sociedades modernas, particularmente as relacionadas com novas tecnologias. Com elencos, histórias e backgrounds diferentes em cada episódio, Brooker chama a atenção para os impactos imprevistos de modos de vida que podem não estar assim tão longe de serem reais. Aclamada internacionalmente - com direito a compra pela Netflix e a servir de base de inspiração a várias longas-metragens em desenvolvimento -, é urgente descobrirem esta série de ficção especulativa onde, ao contrário do que é costume, a tecnologia não é o bicho papão que se vira contra nós mas sim a arma usada pelos humanos para se virarem uns contra os outros.

domingo, agosto 21, 2016

E esta, hein?

sábado, agosto 20, 2016

sexta-feira, agosto 19, 2016

Nas Nalgas do Mandarim - S03E07

quinta-feira, agosto 18, 2016

Taken: Mother Edition

quarta-feira, agosto 17, 2016

Donald Trump's The Art of the Deal: The Movie (2016)

Ponto prévio: abomino Donald Trump e tudo o que ele, politica e ideologicamente, defende. Dito isto, o filme-sketch produzido pela Funny or Die de Will Ferrell e Adam McKay é completamente inconsequente e inócuo, muito por culpa da terrível caracterização de Trump por Johnny Depp. Muita maquilhagem, pouco empenho em conseguir mais do que imitar os vários maneirismos físicos e linguísticos do bilionário norte-americano. Uma história de vida com muitas nozes (falcatruas), encarada com dentes de leite (piadinhas inofensivas). Feliz no absurdo - Trump não consegue defecar, por exemplo -, penoso na sátira a factos pessoais e empresariais que o deviam desacreditar totalmente para qualquer cargo estadista. Porque Trump é, na realidade, uma personagem muito mais rica do que qualquer caricatura sua.

terça-feira, agosto 16, 2016

Nalgas Flash Review: The Invitation

segunda-feira, agosto 15, 2016

97.6% chance of failure

domingo, agosto 14, 2016

Hollywood Has Ruined Method Acting

"Jared Leto’s turn in Suicide Squad is the latest reminder that the technique has become more about ego and marketing than good performances." [Article @ The Atlantic]

sábado, agosto 13, 2016

Nas Nalgas do Mandarim - S03E06

sexta-feira, agosto 12, 2016

Jean-Claude Van Johnson

quinta-feira, agosto 11, 2016

De mentirosa a Madre Teresa

"As described in the restraining order and divorce settlement, money played no role for me personally and never has, except to the extent that I could donate it to charity and, in doing so, hopefully help those less able to defend themselves. As reported in the media, the amount received in the divorce was $7 million and $7 million is being donated. This is over and above any funds that I have given away in the past and will continue to give away in the future. The donation will be divided equally between the ACLU, with a particular focus to stop violence against women, and the Children’s Hospital of Los Angeles, where I have worked as a volunteer for the past 10 years alongside organizations like the Art of Elysium. Over the years, I have seen firsthand how more funding for staffing, better equipment and better medication can make the difference between life or death for a child. I know these organizations will put the funds to good use and look forward to continuing to support them in the future. Hopefully, this experience results in a positive change in the lives of people who need it the most."

quarta-feira, agosto 10, 2016

Nalgas Flash Review: Finding Dory

terça-feira, agosto 09, 2016

The Giant's Dream

segunda-feira, agosto 08, 2016

Stranger Things (S1/2016)

Uma pedrada no charco dos sempre tão plásticos revivalismos dos eighties, um produto tão ímpar e original quanto familiar e reciclado, tão misterioso quanto cativante, tão cheio de energia quanto calmo e equilibrado no seu ritmo narrativo, algo notável para uma história dividida em oito episódios de aproximadamente uma hora. Em cada cena da primeira temporada de “Stranger Things” há um pouco de “E.T”, de “Stand by Me”, de “Goonies” e de tantos outros clássicos que marcaram a infância e adolescência de uma mão cheia de gerações. Nem tudo é perfeito, mas quase tudo é virtuoso. Destaque óbvio para a criançada, brilhantemente apoiada por Winona Ryder, David Harbour e uma sonoplastia perfeita. E assim, do nada, apareceu a melhor série do ano. Vamos lá ver se aguenta o carisma, que aqui é peça-chave, na história que se segue.

domingo, agosto 07, 2016

You know they call that a forest, right?

sábado, agosto 06, 2016

O Hugh Laurie não sabe o que fazer

sexta-feira, agosto 05, 2016

Cheira a Oscar para o Garfield

quinta-feira, agosto 04, 2016

Suicide Squad (2016)

"Esquadrão Suicida" é um filme do caralhinho. Qual mágoa cinéfila que a fatídica necessidade de lucrar uma batelada de dólares através do politica e socialmente correcto PG-13 não tenha deixado o potencial tremendo deste universo demente de supervilões moldar o blockbuster de David Ayer ("End of Watch" e "Fury") numa fita do caralhão. E, culpa disso, "Suicide Squad" não mija fora do penico, não arrisca um único twist narrativo, uma única morte inesperada; ora bem, sequela garantida. Mas nem tudo, longe disso, é mau: não há aquele fogo-de-artifício visual constante que tanto me enerva na Marvel e companhia, os heróis - aqui vilões - são mais humanos do que extraterrestres, bem caracterizados durante quase uma hora e a banda-sonora um mimo. E Margot Robbie, extraordinária, irrepreensível. Atenção, cena mid-credits interessante q.b., não levantem logo o traseiro do escuro. Batman e Super-Homem, ponham-se nas pu***!

quarta-feira, agosto 03, 2016

Sharing Jerry

terça-feira, agosto 02, 2016

Nas Nalgas do Mandarim - S03E05

segunda-feira, agosto 01, 2016

Veronica Mars quasi-spin-off

domingo, julho 31, 2016

The Fear of 13 (2015)

Nick Yarris esteve vinte e três anos no corredor da morte, condenado à pena máxima por um homicídio que não cometeu - depois de ter sido inocentado de outros delitos menores que havia cometido. Ao fim de vinte anos de apelos parados no tempo, Yarris decidiu usar o seu último e único direito enquanto dead man walking: solicitou aos tribunais da Pensilvânia que anulassem todos os apelos interpostos pelos seus advogados, executando a pena de morte a que tinha sido sentenciado num prazo máximo de sessenta dias, tal como estava previsto por lei. Esta é a entrevista transformada em documentário/mistério policial que Yarris aceitou dar sobre esta sua decisão e uma vida de histórias atrás das grades. Porque não há preto nem branco, mas sim uma camada infinita de cinzentos num outrora rapaz vilão, agora homem arrependido. Na Netflix, pois claro.

sábado, julho 30, 2016

Nalgas Flash Review: Ele está de volta